Roménia : Novo revés para um projeto canadense de mina de ouro

A empresa canadense Gabriel Resources esta a espera a cerca de 14 anos para ter a luz verde para estabelecer uma mina de ouro em Rosia Montana, uma aldeia romena a 430 km de Bucareste. Mas uma comissão do Parlamento romeno vem de afastar um pouco mais essa ideia, rejeitando, segunda-feira 11 de novembro, um projeto de lei polémico que abriria o caminho.

Esta votação, que vem depois de dois meses de debate e a audição de dezenas de especialistas, resulta de um acordo alcançado na parte da manhã pelos copresidentes da coalizão de centro-esquerda atualmente no poder, a USL . A última palavra sobre este projeto vai pertencer as duas Casas do Parlamento, que irá analisar o projeto nas próximas semanas.

Depois de várias mudanças de opinião sobre a mina desejada pela empresa Gabriel Resources, o primeiro-ministro Victor Ponta afirmou que “não estaria de nenhuma maneira perturbada ” por um voto negativo sobre este texto, aprovado pelo governo no final de agosto. “A nossa posição comum é rejeitar este projeto, dando uma mensagem clara de apoio à mineração “, disse Ponta pouco antes da votação da comissão. Segundo ele, o Parlamento terá de escrever um texto mais geral que se aplica ao setor de mineração como um todo.

A empresa canadense Gabriel Resources aguarda aprovação do projeto a 14 anos para implementar a sua mina de ouro em Rosia Montana, 430 km de Bucareste.

A empresa Rosia Montana Gold Corporation (RMGC), que e detida a 80% pela Recursos Gabriel , pretende extrair 300 toneladas de ouro e 1,6 mil toneladas de prata em Rosia Montana, usando 12 mil toneladas de cianeto por ano.

A empresa promete centenas de empregos e benefícios económicos significativos para a Roménia. Mas de acordo com especialistas e arqueólogos, esta mina de ouro a céu aberto que se vai tornar a maior da Europa vai destruir quatro montanhas e ameaça galerias de mineração datando da época romana.

A adoção pelo governo de um projeto de lei declarando o projeto da mina de “projecto excepcional de interesse público” desencadeou um movimento de protesto sem precedentes desde a década de 1990, com manifestações envolvendo dezenas de milhares de pessoas em todo o país.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *